quinta-feira, 2 de agosto de 2012


Sazão
Procuro-o em toda parte e ele me ronda, me espreita
sinto até o seu hálito sussurrante enquanto me invade, me toma por inteiro e fico à mercê do seu domínio
é quase um masoquismo acelerado
impiedoso
que se apossa de mim eu não o posso repelir.
Necessito dele, com pertinácia esquadrinho o seu caminho como se toda minha vida fosse um minúsculo fio desprendido, um filete esvoaçante que anseia por uma ruga em que se possa prender.
Retrocedo, tento fugir, mas a fúria do seu poder me domina por inteiro enquanto a língua delgada do réptil escamado se assemelha a ele, em rapidez, e sua mandíbula maldita me engole.
Sinto-me sufocada por não conseguir dominá-lo e por mais que eu tente ele está sempre um passo à frente: o tempo! - corrói seres entre segundos eternos e momentos perdidos!