domingo, 4 de maio de 2014

#impaciente




Isto é quase uma bebida que se consome em dias de alto calor e me consome como um ácido corrosivo. Em dias de explosão tecnológica não consigo parar os neurônios para não fazer nada. E em tudo não faço nada porque as horas intermináveis de desenfreada produção consomem o meu eu. Nem me sinto mais e fico errante em pensamentos que se desencontram como pulsos energéticos sem força para produzir uma faísca qualquer.

Nem sei se sou eu ou o outro que se apossa do meu corpo para tomar de mim a tranquilidade que pareço ter. O meu outro eu, sereno, que nunca se abala não tem forças para se impor e fico a mercê da impaciência.

Um caminho de coisas desinteressantes eu percorro e não consigo achar algo para me apegar. Não há graça nas coisas, não há graça nas pessoas e toda a pluralidade me sufoca tanto que desejo apenas as palavras. Elas surgem como boas amigas de qualquer hora e quase dizem a verdade em letras que são atraídas para formarem textos perfeitos.

O que me faz seguir nem sei dizer, mas aqui sou tão livre e longe da realidade que as letras caem como plumas. E vislumbro a alva neve que cobre uma montanha e desenha uma linha perto do horizonte. Vejo-me só, mas isto não me assusta porque este é o lugar perfeito.

As pessoas? Quero apenas as que conseguirem insanidade suficiente para entender que o agrado interesseiro não vale nada, que não desejo ser diferente. Deixa-me ser o que sou e seja o que você é, se quiseres. Porque tudo acaba em pizza e as minhocas hão de devorá-la rapidamente. Dura realidade... mas é isso. Somos todos pizza.