sábado, 8 de junho de 2013

Tic-tac



O questionamento está no ar...
Quando andares
Entre a pedra ingrata e a leve brisa flutuante
Insinuante
É o dia que chega de mansinho
Com seu carinho

Com seu delírio
Louco para romper os minutos e roubar as horas
E deixar de fora
A essência do instante.
A vitalidade lacrimejante do sangue que viaja em horas tão eternas em veias pulsantes
Também pára, um dia!

Reserva para ti, do teu dia, mais que um instante de delírio, muitos instantes de amor e de amizade e cultiva a positividade da alegria.

Como se o desvario da utopia iluminasse as tuas horas, deixa-te ser, apenas! Pois o tic-tac de um dia é o frontispício do próximo dia, sem EXCEÇÃO.