sexta-feira, 18 de junho de 2010

Melodia II

Continua a soar a suavidade da vida, aos meus ouvidos

Entre pequenos e finos toques

Desabrocha em pétalas que surgem multicoloridas

Não posso ver, ler. Pessoas invisíveis, seres que não compreendo.

Falam. Falam. Falam.

Nada dizem. Por que não os entendo?

Eu já fui alfabetizada, tenho audição perfeita. A língua, é a portuguesa.

Não compreendo as palavras, não entendo as feições.

Tenho perdido o interesse em assuntos. Enfadam, às vezes.

Eu quero falar mais, ouvir mais.

Quero dizer algo que produza o som que o meu ouvido tem se acostumado a ouvir, quero ouvir mais esta melodia que me causa satisfação e plenitude.

Deixa-me ouvir, um pouco. Mais um pouco! Não desejo parar, agora!

Diga-me algo que as palavras não podem expressar, eu só quero ouvir com meu íntimo.

Cante, sussurre ao meu ouvido.... nem que seja um monossílabo.

Estou pronta para esta música, que é única.

A escuridão da noite não me causa mais medo. A multidão não me amedronta, tampouco me interessa. Já posso estar no meio dela e ser, apenas.

A música agora é minha, tenho-a dentro de mim. Canto-a aonde quiser, quando desejar.

Até mesmo em silêncio posso ouvi-la, suave e forte. A mão que me segura, guia.

Eu quero a nota musical mais forte, vibrante. Faz-me vibrar por dentro, enquanto a multidão fala, fala. Deixa que falem...

Não podem mais interferir na minha melodia!!!